Volta às aulas: 3 Dicas para tornar esse processo mais fácil.

Depois de longo período com aulas remotas, o a volta às aulas é algo que deve ser feito com estratégias para a adaptação adequada dos alunos, professores e profissionais em geral. Sendo assim, conheça 3 dicas para tornar esse processo mais fácil e conseguir obter os melhores resultados. Acompanhe e tenha uma ótima leitura!

 

1.Organizar a rotina com os alunos

A volta às aulas é um momento em que a rotina dos alunos muda muito, pois estavam enfrentando um período de aulas remotas em que o ambiente residencial era o mesmo do escolar, sem ter uma divisão específica.

Sendo assim, para tornar o processo mais fácil, fazer a organização da nova rotina juntamente com as crianças ou adolescentes, é importante. Isso permite que eles tomem conhecimento as mudanças e que entendam o que vai acontecer, sem que seja uma mudança repentina.

Portanto, é essencial que eles participem da organização dos materiais escolares, da verificação de horários e demais detalhes, pois assim vai ser mais fácil para que eles compreendam que a rotina vai mudar, mas que vai ser para melhor.

Os alunos que já estudavam antes e que irão retornar têm um bom parâmetro como base, o que é positivo e deve ser estimulado para que saibam que, apesar de ser um retorno diferente, poderão começar a voltar à normalidade de antes com a volta às aulas presenciais.

 

2.Explicar os cuidados necessários

Outra dica importante para que a volta às aulas tenha um processo mais fácil é explicar, desde casa, os cuidados que serão necessários no ambiente escolar.

Assim como em casa e no cotidiano normal já existem diversos cuidados que as crianças e alunos em geral já devem estar cientes, pois fazem parte da rotina, esses cuidados devem ser estendidos à escola.

Portanto, os pais e responsáveis precisam ensinar sobre todos os cuidados e orientações que a volta às aulas requer, como uso de mascará, higienização das mãos, orientações sobre distanciamento entre os alunos, de acordo com cada local, entre outros.

Isso é algo que deve ser feito com cuidado e antes mesmo das aulas retornarem, pois assim os alunos já chegarão na escola com maior consciência de qual ambiente encontrarão e poderão se familiarizar e se acostumar melhor com o novo cenário de aulas presenciais.

 

3.Motivação

Outra dica que pode facilitar o retorno às aulas é a motivação. É importante que os alunos sejam motivos para que entendam que esse retorno é positivo. Sendo assim, elencar os pontos positivos e verificar isso juntamente com as crianças e adolescentes, é uma boa estratégia.

Com essa prática, os alunos irão compreender que a volta é algo interessante, que poderão rever os colegas e amigos, interagir entre eles, conviver com os professores, ter refeições em conjuntos e momentos de confraternização nos intervalos e tudo mais que o convívio escolar pode proporcionar.

Porém, esses detalhes devem ser levantados ainda em casa, pois assim quando os alunos chegam na escola, já estão com essas questões mente. Claro que nos primeiros contatos da escola, isso tudo pode ser reafirmado com ações dos professores e uma recepção mais específica para que os alunos se sintam acolhidos novamente.

 

Considerações finais

Dessa forma, assim como todos os momentos de volta às aulas pode gerar inquietação, euforia e dúvidas, em um período em que os alunos tiveram aulas remotas por um tempo considerável, a tendência é que esses sentimentos sejam aflorados,

Por isso, é tão relevante prestar atenção nesse retorno e buscar elementos para que o processo seja mais fácil e menos conturbado. Afinal, os alunos irão se separar da rotina da casa, perder o convívio mais intenso com os familiares e reduzir o tempo em que estão em casa.

Sendo assim, são grandes mudanças que necessitam de grande atenção para que os resultados atingidos possam ser os mais adequados e os esperados tanto pelas famílias, quanto pelas escolas e, principalmente, pelos próprios alunos.

Assim, considerar as dicas que foram trazidas nesse artigo pode ser algo muito positivo e instrutivo para que essa transição de volta ao ambiente escolar seja feita da forma mais saudável possível e com o empenho e determinação que o momento pede.

Para tanto, ter em mente que tanto a escola quanto o ambiente familiar devem agir em conjunto, são os principais pontos, pois o trabalho deve ser ampliado e feito não apenas por uma dessas instituições.

Isso porque esses dois lados têm grande poder de influência e de formação no que se refere aos alunos, de modo que devem ser usados em sintonia para atingir a mesma finalidade.

Jogos para estimular o raciocínio lógico das crianças.

jogos para estimular o raciocínio

Os jogos são ótimas alternativas para estimular o raciocínio lógico das crianças, que é a capacidade de encontrar padrões. Também de identificar diferenças e similaridades em algo, um conhecimento importante para promover a habilidade de resolver problemas, por exemplo.

Diante de um saber tão importante, nada melhor do que encontrar opções divertidas para aperfeiçoar o conhecimento. Por isso trouxemos esta lista de jogos, com o intuito de desenvolver não apenas o raciocínio lógico, como também diversas outras habilidades. Veja!

 

Quebra-cabeças

O clássico quebra-cabeças é o primeiro da nossa lista, afinal, é um ótimo jogo para as crianças trabalharem lógica e memória. É um desafio que pode ser aumentado com o tempo, já que encontramos uma diversidade de modelos desse jogo, com mais ou menos peças.

Você pode começar a implementar o jogo a partir de 2 anos de idade, claro, evoluindo conforme crescimento da criança. Os jogos com menos peças são mais fáceis e aumentam a dificuldade quando as peças diminuem de tamanho e aumentam em quantidade.

 

Jogos de tabuleiro

Os jogos de tabuleiro são outros clássicos que podem ajudar os pequenos a desenvolverem habilidades de raciocínio lógico e estratégia. Você pode trazer opções como dama, xadrez, ludo, entre outros, conforme a idade e de acordo com a evolução deles com cada jogo.

Sem contar que as crianças podem aprender e jogar entre si ou com adultos, tornando o momento interessante. Uma dica para o momento de ensinar é ficar ao lado da criança, formando um “time” nas primeiras vezes, até que ela compreenda a dinâmica do jogo.

 

Aula de programação

Para as crianças maiores pode ser interessante começar uma aula de programação ou robótica, a fim de estimular conhecimentos de lógica. Apesar de não ser um jogo, é sobre o que acontece por trás da criação deles, um conhecimento interessante e que estimula o cérebro.

A matemática está presente nesse contexto, o que ajuda a melhorar o desempenho na escola e quem sabe descobrir uma paixão. Porém, a ideia aqui é procurar um curso que será um investimento, não necessariamente nessa carreira, mas nas habilidades que esse conhecimento proporciona.

 

Mímica

Se junto à lógica quiser desenvolver a criatividade é interessante recorrer aos jogos de mímica, que demandam toda uma performance na hora de brincar. Aqui é importante aperfeiçoar a comunicação, o que ajuda na interação social com outras crianças.

A lógica está presente na necessidade de encontrar os padrões e de resolução de problemas. Além disso, os pequenos mais tímidos podem encontrar nessa atividade uma oportunidade de se soltar mais. Aperfeiçoando também a capacidade de se expressar, de se fazer entender.

 

Jogo de sequência lógica

Já que o raciocínio lógico é estimulado por meio de padrões, temos alguns jogos de sequência lógica que podem ser interessantes. Trata-se de um jogo no qual a criança precisa pegar as peças e colocar em uma sequência correta, que faça sentido.

Pode ser de figuras, operações matemáticas para os mais velhos, ou ainda, sequência de ações, como uma história. Para os menores as figuras coloridas servem para trabalhar nomenclatura e memorização. Assim, fica essa alternativa para ter mais opções de jogos para diversão e aprendizado.

 

Videogames

Os videogames não são vilões no crescimento das crianças, pelo contrário, eles são ricas fontes de aprendizado de diversas habilidades motoras e de raciocínio. É preciso apenas utilizar de acordo com o limite estipulado, por isso crie as regras para uso do aparelho.

Em relação aos jogos, autorize aqueles que são de acordo com a idade da criança e que estimulem o aprendizado, os chamados educativos. Você pode aproveitar a oportunidade para colaborar no desenvolvimento cerebral e no aprendizado de regras.

Sabemos que as crianças podem ficar um tanto estressadas quando não conseguem atingir o objetivo do jogo ou mesmo quando perdem. Mas esse é o momento do adulto intervir ensinando a desenvolver a paciência, perseverança, motivação, enfim.

É muito importante que as crianças tenham ajuda no primeiro contato com esses jogos, para que a experiência seja boa, realmente valorizada, e para que elas mantenham a prática de jogar. Os jogos de raciocínio lógico são ótimas opções para desenvolver as habilidades do seu filho, mas você precisa ajudar nesse primeiro contato.

Sem contar que esses jogos colaboram para tirar um pouco os olhos dos pequenos das telas, considerando momentos em que toda a família pode participar. Com isso, habilidades de convivência, sociabilidade, além dos laços familiares, são todos trabalhados.

Então, anote os jogos que são mais interessantes, identifique os que estão de acordo com a idade dos seus filhos e adquira os mais interessantes. Não esquecendo de separar um tempo para essa interação também.

Gostou do nosso conteúdo? Então, aproveite para compartilhá-lo em suas redes sociais e ajude outros pais com essas dicas!

Materiais que não podem faltar na volta às aulas do seu filho!

Sem dúvidas, quando o assunto é a volta às aulas , muitos processos acontecem. Afinal, a correria para comprar materiais, fazer rematrícula, comprar uniforme — quando necessário — e certificar de que tudo está em ordem para seu filho começar os estudos de maneira eficiente. É o que qualquer pai deseja.

Por esse motivo, é crucial criar uma lista antecipada de materiais escolares importantes para o seu filho, a fim de evitar possíveis surpresas no meio do caminho. Quer saber como? Então, confira o nosso post até o final e veja 6 itens que não podem faltar na mochila do seu filho no primeiro dia de aula.

 

Por que é necessário fazer uma lista de materiais para a volta às aulas do seu filho?

Antes de tudo, podemos perceber que a lista escolar para a vida de um estudante é de suma importância para garantir que o ensino seja repassado de maneira eficiente e confortável. Afinal, não é nada agradável quando deixamos de comprar os materiais necessários para que os estudos sejam conduzidos da melhor forma.

Portanto, priorizar uma lista de materiais para o seu filho pode ser extremamente eficiente. Contudo, devemos nos atentar de que essa lista deve ser criada para todo o ano letivo, atentando-se a possíveis mudanças, materiais que podem ser descartados mais rapidamente, e quais não precisam ser comprados com tanta frequência. Além de reduzir custos, o aluno já fica preparado contra futuras surpresas durante o seu período de estudo no colégio.

 

7 materiais escolares que não podem faltar na mochila do seu filho na volta às aulas

Agora que você já entende a importância de criar uma lista de materiais para o seu filho, confira abaixo os principais itens que não podem faltar:

 

1. Máscara

Vamos começar com um item novo e extremamente necessário. Isso porque as escolas que começarão a atuar de forma presencial, exigem — como medida de segurança — o uso de máscaras durante a presença dos alunos no colégio. Por esse motivo, invista na compra de máscaras confortáveis para o seu filho, de preferência com mais de uma unidade. Assim, ele poderá usar máscaras sempre limpas e confortáveis.

 

2. Cadernos que ofereçam 10 matérias

Indo para os materiais mais tradicionais, não podemos deixar de mencionar os famosos cadernos. Por mais que os mais customizados e cheios de adesivos sejam mais atraentes para os nossos filhos, precisamos nos atentar ao custo-benefício.

Você pode mesclar um caderno com uma excelente capa, mas que seja de 10 matérias. Assim, ele tende a perdurar por muito mais tempo, e, na maioria dos casos, pode durar o ano inteiro. Além de ser mais econômico para o seu bolso, os conteúdos ficam mais centralizados, facilitando a organização.

 

3. Lápis de cores são essenciais

Mesmo que estejamos vivendo em uma era praticamente digital, onde até os desenhos podem ser coloridos através de lápis e pincéis virtuais no celular, ainda assim devemos estimular a arte em nossos filhos. E as escolas entendem essa importância!

Por esse motivo, não se esqueça de comprar uma boa caixinha de lápis de cores para o seu filho, a fim de que o material atenda todas as suas necessidades em aulas artísticas. Se for necessário, complemente os lápis com canetinhas coloridas, giz de cera, entre outros relacionados.

 

4. Canetas para alunos com idade mais avançada

Caso o seu filho esteja em um ano letivo mais avançado, possivelmente o uso de canetas já está liberado. Nesse quesito, pode ser crucial providenciar um kit de canetas que possa durar o ano inteiro, tanto na escola quanto nos afazeres em casa. Sabemos que esses materiais, dependendo da marca, tendem a ser frágeis, e logo, acabam estragando antes da hora.

 

5. Caderno de anotações

O caderninho de anotações serve tanto para os próprios pais, quanto para os alunos. Ou seja, quando houver algum evento na escola, uma excursão, uma data marcada para uma prova ou entrega de trabalho, é importante possuir um caderno de anotações para esses tipos de atividades.

Afinal, ninguém quer se esquecer do dia da prova, da apresentação de um trabalho ou até mesmo de um recesso escolar. Sem contar que esse caderno pode ser acompanhado tanto pelo aluno, quanto pelos próprios pais.

 

6. Não se esqueça dos estojos

Não menos importante do que os itens citados acima são os estojos. Afinal, não é nada agradável deixar lápis de escrever, canetas, canetinhas, borracha, apontador e outros tipos de materiais auxiliares na escrita simplesmente jogados dentro da mochila.

O mais ideal, nesse quesito, é investir em um bom estojo, de preferência aquele que costuma suportar todos os materiais necessários para o ano letivo do seu filho. Além de facilitar a condução das atividades escolares, torna a mochila mais organizada.

 

Gostou das dicas? Agora que você já sabe quais são os principais materiais escolares que não podem faltar na volta às aulas de seu filho, que tal conhecer os nossos produtos? Acesse agora mesmo o nosso site e conheça nossos kits escolares.

5 aplicativos para estudantes de Odontologia.

Na era da tecnologia, o uso de ferramentas digitais tem se tornado cada vez mais comum. Mas engana-se quem pensa que esses recursos são úteis apenas para o lazer ou a comunicação. Muito pelo contrário, estão mais presentes do que nunca nas mais variadas áreas do conhecimento, dentre elas a odontologia.

Melhor ainda é que hoje os apps são poderosos aliados da formação técnica. Nesse sentido, estudantes de odontologia só têm a ganhar ao apostarem no uso de ferramentas digitais para trilharem o caminho do aprendizado.

Por isso, confira a seguir 5 aplicativos para estudantes de odontologia.

 

1. RaioXtudy

Disponível para celulares Android, o aplicativo RaioXtudy é uma excelente ferramenta para o estudo e interpretação de radiografias. Apresenta uma interface direta, organizada e funcional, com um extenso banco de dados separado nos seguintes tópicos: Patologia, Anatomia e Alterações Dentárias.

Além disso, o app traz descrições bastante detalhadas das imagens, tem uma área em que os usuários podem interagir e ainda oferece ao estudante de odontologia exercícios para testar e fixar os conhecimentos.

 

2. Odontologia Medicamentosa

Odontologia Medicamentosa é outro app disponível para dispositivos Android, incluindo tablets, com funcionamento off-line. É um aplicativo simples cujo objetivo é oferecer ao usuário uma relação com os medicamentos mais utilizados por profissionais da odontologia, como analgésicos, anestésicos, anti-inflamatórios, sedativos e antibióticos.

Outra função interessante dessa ferramenta é que ela permite calcular a dose dos medicamentos de acordo com o paciente. Além disso, o app apresenta protocolos de atendimento para pacientes diabéticos, hipertensos, asmáticos, nefropatas (doença do rim) e gestantes.

 

3. Dental Patient Education

Ao contrário dos apps anteriores, o Dental Patient Education está disponível apenas para dispositivos iOS, preferencialmente iPad. O aplicativo apresenta uma visão em 360 graus da cavidade bucal e de todos os seus detalhes, incluindo gengivas, dentes, tecidos, músculos, nervos e vasos sanguíneos.

O usuário também pode acessar animações de procedimentos odontológicos, todas com narrações de voz. Na versão gratuita do app, é possível visualizar 12 destas animações. Já a versão paga é mais completa, com quase 200 animações de diagnóstico, cirurgia oral, prótese, prevenção, dentre outros.

 

4. BoneBox – Dental Lite

Disponível tanto para Android quanto para iOS, o BoneBox – Dental Lite oferece ao usuário uma projeção da boca humana em três dimensões, bem semelhante à proposta do app anterior. A ferramenta traz modelos anatômicos bastante detalhados.

Além disso, o aplicativo oferece ao estudante de odontologia a possibilidade de fixar seus conhecimentos por meio de um quiz dos nomes dos dentes.

 

5. Dental Simulator

Dental Simulator pode ser baixado em dispositivos Android e no computador. A proposta do aplicativo é oferecer uma simulação da cavidade bucal para que o estudante possa praticar cirurgias e outros procedimentos odontológicos, sendo ao mesmo tempo instrutivo e divertido.

Para cada procedimento, o usuário pode acessar conteúdos teóricos, vídeos clínicos em pacientes reais e um vídeo de simulação no próprio app. Também pode treinar a técnica pelo modo transparência, o qual não está disponível no modo simulação para que se aproxime o máximo possível do procedimento real.

O aplicativo é gratuito, mas o usuário tem a opção de adquirir procedimentos específicos, como a anestesia do nervo alveolar inferior e a anestesia infiltrativa local.

A importância dos pais no desenvolvimento escolar dos filhos.

A importância dos pais no desenvolvimento escolar dos filhos é grande, pois a participação dos pais ou responsáveis é um ponto crucial para a formação de traços da personalidade e da capacidade de aprendizado.

Sendo assim, entender mais sobre esse assunto é essencial para que os pais e responsáveis tenham cada vez mais consciência e participação desse processo escolar.

 

Por que é importante a presença dos pais no desenvolvimento escolar dos filhos?

A presença dos pais ou responsáveis no desenvolvimento escolar dos filhos é algo de grande necessidade, pois o envolvimento deles faz com que os filhos consigam atingir maiores níveis de crescimento em muitos sentidos.

Quando a família presta atenção e se envolve nesse processo, os filhos se sentem valorizados e notam o interesse que os familiares estão demonstrando com relação a sua vida escolar.

Em razão disso, diversos benefícios são observados para os filhos, questão essas que são indispensáveis para que o desenvolvimento na escola seja o mais completo e saudável possível, o que reflete depois na vida adulta, acadêmica e profissional.

 

Ajuda na capacidade de motivação

Um dos principais pontos que advém do envolvimento familiar no desenvolvimento escolar dos filhos é a capacidade de motivação. Os alunos que sentem o envolvimento dos pais e que conseguem notar que o assunto é tratado com importância e relevância e que os pais estão realmente interessados, conseguem desenvolver a habilidade da automotivação.

Ter capacidade de motivação é essencial para que as atividades sejam realizadas, inclusive depois em outros momentos da vida.

 

Auxilia no entendimento do conteúdo

Além do que foi dito acima, a presença ativa dos pais no desenvolvimento escolar dos filhos também tem impacto na capacidade de entendimento do conteúdo que é abordado na escola.

Os alunos que têm o apoio familiar conseguem aproveitar muito mais os conteúdos ministrados em sala de aula, bem como conseguem ter uma compreensão maior de tudo que ensinado.

 

Desenvolvimento de autoestima

Outro fator muito importante que também está intimamente relacionado com a presença dos pais na educação escolar dos filhos é o desenvolvimento de autoestima.

Os filhos que possuem apoio dos pais nos aspectos escolares e que se sentem valorizados por isso, têm a tendência de serem alunos com melhor autoestima e com mais segurança, o que é importante para que consigam se desenvolver de forma adequada e ativa nas atividades.

 

Considerações finais

Sendo assim, tudo isso apenas afirma a questão de que o envolvimento de pais ou responsáveis no desenvolvimento dos alunos é algo indispensável. E os benefícios são notados desde as pequenas coisas como nas atividades e tarefas diárias, bem como na postura que os alunos possuem para executar as tarefas e no nível de compreensão dos conteúdos que são oferecidos.

 

Portanto, o trabalho em conjunto dos pais com a escola é fundamental e deve sempre ser estimulado e prezado para que os filhos consigam ter um desenvolvimento saudável e com bons resultados, algo que é importante não só para o período escolar, como para o crescimento e desenvolvimento pessoal dos filhos.

Gosto do nosso conteúdo? Então, aproveite para compartilhá-lo em suas redes sociais e ajude outros pais com essas dicas!

Os benefícios de estabelecer uma rotina para as crianças.

As crianças precisam da orientação dos adultos a cada minuto para que façam suas refeições, tomem banho, entre outras obrigações. Quando não há uma rotina estabelecida, essas ações se tornam momentos cada vez mais difíceis e desafiadores para os dois lados, pais e crianças. Veja os benefícios de estabelecer uma rotina, é só continuar a leitura!

 

Facilita os momentos de despedidas

Ao estabelecer uma rotina para as crianças você traz mais segurança para elas, porque já esperam a cada dia o que vai acontecer. Por exemplo, quando um dos pais sai de casa a despedida fica mais tranquila.

Evitamos a presença de choros exagerados, porque a criança já entende que aquilo acontece todos os dias, não precisa sair escondido. Um ritual para esse momento de despedida pode ser ainda mais reconfortante, tornar o momento até divertido.

 

Ajuda a compreender regras e horários

Os pequenos não entendem os seus deveres e não sabem a que horas eles acontecem, porque ainda não conhecem muito bem a noção de dias e horas. Então, criar uma rotina faz ela entender os acontecimentos pela sua sequência, como tomar banho, almoçar, ir dormir, enfim.

Dentro dessas ações pode ser interessante criar também outras sequências. Por exemplo, na hora de tomar banho criar o passo a passo para a criança já aprender não apenas que é o momento do banho, como também sua execução.

 

Traz mais responsabilidade

Nas fases em que as crianças conseguem ter melhor noção de horários é possível utilizar a rotina para trazer senso de responsabilidade. Eles conseguem aprender quais os momentos que devem fazer suas refeições, escovar os dentes, inclusive dar os primeiros passos para ajudar nas tarefas de casa.

Esse fator será crucial quando estiverem adolescentes, porque já compreendem e estão habituados a ser responsáveis por tarefas específicas. Invista em filhos organizados e responsáveis desde o começo.

 

Evita estresse para pais e filhos

Ser desorganizado pode tornar seu dia a dia uma verdadeira correria, adultos e crianças estressados na maior parte do tempo e chegando atrasados nos locais, por exemplo. Com isso, essas regras também servem para programar os momentos de brincadeiras, distinguindo daqueles onde é preciso cumprir obrigações.

Dessa forma, na hora de ir para a escola os atrasos não serão frequentes, afinal, o momento é programado e esperado pelos pequenos.

 

Colabora para mais tempo de qualidade em família

Uma rotina organizada te ajuda a identificar os horários em que é possível ter aquele tempo de qualidade em família, algo que enriquece o relacionamento. Pode ser ver um filme juntos, sair para comer, um passeio ao parque, enfim, que agrade a todos e os deixem ainda mais unidos.

Sem regras não há espaço para sair da rotina, afinal, ela não existe. Por isso, é mais fácil fazer as crianças entenderem momentos de descontração, lazer e de obrigações.

Ficou fácil de saber porque a rotina é tão interessante para as crianças, afinal, traz tantos benefícios tanto para os pequenos quanto para os pais. O segredo é começar a passos lentos, até que todos estejam acostumados, dando tempo para entender qual a melhor rotina para sua família.

 

Procure estabelecer primeiro horários para dormir e para as refeições, priorizando também a organização do ambiente para cada momento. Depois que tudo estiver alinhado não precisa ter excesso de rigor, pode apresentar flexibilidade, mas sempre deixando claro que é algo fora do planejado e permitido para as crianças.

Dicas para ajudar seu filho com a lição de casa.

A educação é essencial para o nosso desenvolvimento. Quando se trata do aprendizado dos nossos filhos, precisamos estar atentos à melhor maneira de ajudá-los. Estudar em casa pode se tornar um desafio. Por isso, preparamos esse artigo para você aprender a ajudar seu filho com a lição de casa.

 

Os pais como apoiadores

Cabe aos responsáveis interagir de maneira que sua presença influencie seus filhos a dar o seu melhor ao fazer sua lição de casa.

Logo, é essencial que ocorra todo um planejamento em que você, pai ou mãe, esteja presente para amparar o estudante em momentos de dúvida, perda de foco ou até mesmo irritabilidade.

Para exemplificar, trouxemos algumas atitudes que podem ser aplicadas no dia a dia:

Leia as instruções da tarefa ou enunciados da questão para o seu filho

Através dessa medida, você se mostra comprometido com as possíveis dúvidas dele, além de prepará-lo para começar sua lição de casa. Mas não se esqueça, dar as respostas não é uma boa opção, pois impede que se esforce e busque por soluções.

  • Planeje com ele uma rotina de estudos
  • De acordo com as outras obrigações e sua disponibilidade, monte um planejamento para que ele estude nos horários mais propícios, garantindo uma maior produtividade.
  • Levar em consideração o que ele acha mais benéfico garante também que se sinta ouvido e motivado.

 

Entendendo as dificuldades e otimizando o processo de aprendizado

A lição de casa necessita de esforço e foco. Porém, muitas vezes estudantes podem se encontrar um pouco perdidos e sem vontade de cumprir com suas obrigações escolares.

Abaixo, citamos pra você algumas possibilidades que podem te auxiliar a melhorar o desempenho do seu filho:

Caso ele se frustre com questões incorretas, ajude-o a entender que está tudo bem em cometer erros, e que os mesmos fazem parte quando se estuda. Assim, ele desenvolverá compreensão e saberá lidar melhor com desafios.

Aplique diferentes métodos de estudo, pois pode ser uma boa tática para que ele aprenda mais em menos tempo.

Como exemplo, pode-se citar a utilização de mapas mentais, que consiste em quadros sobre determinado assunto com os pontos principais que devem ser estudados e memorizados.

Também é possível trabalhar com a técnica Pomodoro, que é baseada em intervalos de descanso entre o estudo de uma matéria.

Assim, seu filho tem um determinado tempo de pausa, permitindo que ele retome sua lição de casa mais focado.

 

Dando senso de responsabilidade para o seu filho.

Incluí-lo nas decisões a respeito de sua aprendizagem fará com que ele entenda a necessidade de agir com compromisso e se esforçar em tudo que lhe é proposto. A lição de casa é uma parte fundamental para gerar nele um senso de empenho.

Por isso, você deve apoiá-lo em todas as atividades de seus bimestres escolares, além de verificar se está cumprindo com seus horários em casa.

Perguntar regularmente o que ele vem aprendendo é uma maneira de fazê-lo entender que você está acompanhando seu estudo, e instigará a responsabilidade de estar sempre em dia com sua lição de casa para que possa responder tudo o que lhe for questionado.

Através dessas dicas você conseguirá exercer um papel de influência na educação do seu filho. Ele estará sendo constantemente motivado, e crescerá em um ambiente favorável ao seu desenvolvimento intelectual e social.

Lavagem de Instrumentos odontológicos: Erros e acertos.

Em todas as cadeiras de microbiologia espalhadas pelos institutos brasileiros de educação e saúde, a esterilização dos instrumentos é ensinada como matéria essencial, pré-requisito básico para evitar qualquer contaminação, seja da amostra em estudo, seja do animal ferido, seja do paciente em questão. Nos consultórios odontológicos, por suposto, não seria diferente. Todos os instrumentos devem ser devidamente lavados e esterilizados com os mesmos objetivos. No entanto, mesmo sabendo disso alguns profissionais acabam por cometer alguns deslizes comuns no momento de lidar com a lavagem de seus aparelhos de consultório.

Por conta disso, preparamos o artigo a seguir com os erros e acertos comuns que todo dentista comete na lavagem de seus instrumentos odontológicos. Sendo assim, fique conosco e confira logo a seguir.

 

Maiores erros na lavagem de instrumentos odontológicos

1. Uso de esponja dupla face

Um dos erros mais comuns ao se limpar instrumentos odontológicos está no uso de esponja de duas faces. O motivo é simples: uma esponja desse tipo pode riscar e danificar os seus instrumentos, encurtando a vida útil desses objetos tão necessários.

 

2. Uso de detergente doméstico

Outro erro bem comum. Aliás, está aliado ao anterior. É fácil compreender o motivo: ambos os itens são quase irmãos siameses e aonde um vai, o outro acompanha. No entanto, mesmo sendo óbvia a ligação, não se recomenda o uso de nenhum.

No caso do detergente doméstico, sua função não é a de limpeza de material de consultório e, por conta disso, seu uso pode gerar resíduos que acabam por depreciar os instrumentos cirúrgicos.

 

Acertos na lavagem de instrumentos odontológicos

1. Uso de escova com cabo longo

O uso da escova de cabo longo é extremamente recomendável por conta de sua alta eficácia e nula danificação dos instrumentos odontológicos. Além disso, tendo em vista sua característica longa, aquele que maneja a escova fica longe da parte ativa dos instrumentos, prevenindo acidentes ocupacionais.

 

2. Uso de detergente enzimático

O detergente enzimático em imersão é a melhor opção para a limpeza de instrumentos odontológicos. Como ele é altamente eficaz na retirada de matéria orgânica, sua aplicação facilita tanto a limpeza manual quanto a limpeza mecânica.

Ademais, esse produto possui licença e registro dos órgãos públicos para atuação no Brasil, entre eles o Ministério da Saúde. E, como se não bastasse tudo isso, o detergente enzimático não tem caráter iônico, o que significa dizer que ele previne a corrosão, preservando ainda mais os seus instrumentos.

 

3. Uso de luvas de utilidade

Por fim, mas não menos importante, aliás é o procedimento que deve anteceder todos os outros, recomenda-se veementemente o uso de luvas de utilidade para a realização dessas limpezas.

Ao contrário das luvas de procedimento, que são bem mais fracas e acabam se degradando muito mais rápido, as luvas de utilidade são mais resistentes e mais adequadas a limpeza. Além disso, essa mesma característica rígida é que barra uma quantidade muito maior de quaisquer eventuais fluidos vindos do exterior.

 

Gostou de nossas dicas e quer saber mais? Entre em nosso site e fique por dentro desse e de diversos outros assuntos do seu interesse.

Como ensinar a criança a ser organizada.

As crianças gostam de levar seus brinquedos por toda a casa, brincam em cada cômodo, se divertem espalhando brinquedinhos e peças pelo chão. Isso é perfeitamente saudável, o problema é não ensinar a criança a ser organizada, guardando tudo isso quando não for mais a hora de brincar.

Os pais de crianças pequenas vão se identificar com esse cenário e precisam entender ações que incentivem esse aprendizado. Afinal, mesmo que hoje os pequenos tenham os adultos para ajudar nisso, precisam desenvolver habilidades que são fundamentais na vida adulta.

Por isso trouxemos várias dicas para te ajudar a ensinar a organização. Veja.

 

Crie uma rotina

As crianças não têm ainda a noção completa de horários e dias, por isso precisam que uma rotina seja estabelecida. Isso ajuda a identificar por sequências o que será feito a seguir, o que traz mais conforto e segurança para os pequenos.

Então, as crianças que sabem que após o banho vem o jantar e depois o sono, tendem a ser mais organizadas. Esse contexto colabora para refeições na hora certa, lição de casa feita na hora dos estudos, entre outros pontos importantes do dia a dia.

 

Imponha limites

A permissão tem um limite, é preciso saber o momento de dizer “não” para a criança, além de cobrar sua participação na rotina. Por exemplo, ensinar de acordo com a idade e desenvolvimento a cuidar das próprias coisas, organizar o quarto, enfim.

Conseguimos nessas ações construir a responsabilidade das crianças sobre suas coisas e tarefas a serem feitas. Tendo sempre cuidado para não efetuar cobranças excessivas, porque elas produzem efeitos negativos.

 

Faça do momento de organizar algo divertido

Para as crianças menores o momento de guardar os brinquedos pode se transformar em um tipo de brincadeira. Quem guarda mais brinquedos, música na hora de guardar, contando a quantidade de brinquedos, entre outras formas criativas.

Sabemos que o lúdico e o divertido interessam muito mais a criança, por isso as tarefas ganham uma roupagem nova quando inserimos esses momentos de jogos.

 

Comece a dar tarefas para as crianças serem mais organizadas

Desde pequenos conseguimos estipulares tarefas para as crianças, começando com coisas simples, como arrumar a cama. Claro que as primeiras vezes não vão ficar muito bem-feitas, mas o que importa aqui é criar o hábito de se organizar.

Portanto, seja didático, ensine a forma correta e dê reforços positivos para as tarefas realizadas. Seu filho será independente e organizado no futuro.

 

Sempre dê exemplo

O ensino pelo exemplo é fundamental para os pais, porque são modelos de comportamento para as crianças. Por isso, de nada adianta pedir para a criança guardar seus brinquedos quando suas roupas, sapatos e bolsas estão espalhados pela casa.

Tenha locais para cada coisa ser guardada e incentive as crianças a colocarem cada item em seu lugar de origem. Assim toda a casa fica organizada, cada familiar fazendo sua parte.

Sabemos que tudo isso é desafiador para os pais, que precisam investir tempo e paciência nesses aprendizados. Mas investir em uma criança mais organizada traz benefícios no futuro.

Eles serão adultos mais organizados em seus compromissos pessoais e profissionais, muito mais responsáveis, portanto, bem-sucedidos naquilo que fizerem. Bom para eles e para a sociedade.

Dicas para adaptar os filhos na volta às aulas presenciais.

A adaptação dos filhos na volta às aulas presenciais é algo que precisa de cuidado para que os melhores resultados sejam observados e para que os filhos não sofram com a mudança da rotina.

Por isso, verifique, logo abaixo, algumas dicas importantes que podem ajudar nesse processo e permitir que a adaptação seja mais suave e adequada. Boa leitura!

 

Orientações sobre os cuidados

Uma das principais dicas para adaptar os filhos na volta às aulas presenciais é em relação aos cuidados que devem ser tomados. Eles precisam entender a importância de seguir os cuidados e não encarar como algo chato ou cansativo.

Com isso, conversar para explicar o uso de máscara, álcool em gel e demais questões de acordo com as orientações municipais e estaduais de cada local, é essencial.

Essa dica é importante, pois os filhos vão sair do convívio mais intimista em casa e vão passar a ter contato externo com outros alunos e com todo o ambiente escolar. Muitos, ainda, farão isso pela primeira vez, dependendo da faixa etária.

Portanto, ter o cuidado com esse preparo e conscientização é indispensável, tanto pela saúde de todos, quanto pela questão de adaptação à realidade nova.

 

Conversa sobre a nova rotina

Outro ponto que é importante é manter sempre um diálogo sobre a rotina escola para que a adaptação seja melhor. O interesse dos pais pelo desenvolvimento escolar dos filhos é algo sempre indispensável, porém nesse momento de readaptação às aulas presenciais isso se torna ainda mais importante.

Com o envolvimento dos pais na rotina e o diálogo sobre as novidades, experiências boas e ruins e tudo mais que envolve a volta às aulas, se torna uma forma de trabalhar os sentimentos e as experiência para que os filhos se sintam mais acolhidos e respondam melhor à adaptação.

 

Informações em conjunto com as da escola

Além das dicas anteriores, é essencial que o discurso escolar e o familiar estejam em consonância em relação aos cuidados, rotina, exigências e demais questões que envolvem esse retorna às atividades presenciais.

Isso é fundamental para quem um trabalho complemente e fortaleça o outro, bem como para não causar confusões e dúvidas na cabeça dos filhos e alunos.

Portanto, o diálogo entre a escola e os pais deve existir ainda mais nesse momento, pois vai ser algo essencial para que a melhor adaptação seja encontrada, bem como para que mudanças sejam feitas em relação ao que não estiver surtindo o efeito desejado.

 

Considerações finais

Dessa forma, a adaptação dos filhos na volta às aulas presenciais é um processo e, como todo processo, não é feito de forma imediata. Sendo assim, os pais devem ser paciência, bem como devem orientar os filhos e, mais do que isso, se envolver com o desenvolvimento escolar e com a nova rotina para que eles se sintam valorizados, acolhidos e para que consigam desenvolver bons resultados de aprendizado, comportamento, autoestima e tudo mais que tem impacto nessa relação de pais e escola.

 

Assim, levar em conta as dicas e informações trazidas aqui é algo importante e que pode auxiliar muito na adaptação pela qual todos terão que passar, alunos, escola e pais.